23.8.07

coisas de Teté



Estrelinha, que demorou pouca coisa mais que a irmã para começar a falar, vem se revelando uma tagarela de mão cheia. Responde tudo o que a gente pergunta. É mais ou menos assim:
Teté, pega aquilo ali pra mim?
Teté: pédo!
Teté, quer suco?
Teté: télo!
Teté, chama a Naná pra mim?
Teté: sâmo!

Mas às vezes se confunde. Dia desses:
eu: licença, Teté.
Teté: licenço!!
:O)))

coisas de Naná



Aqui em casa, agora que as meninas dispararam e é uma falação generalizada o tempo todo, os papéis já vêm se definindo: Ana Luz já assumiu o papel de intérprete da irmã, e intervém pronta e enfaticamente quando a gente não entende o que a Estrela quer dizer. Dia desses:

Teté: Teté é inho!
eu: o quê, Teté?
Teté: Teté é iiinho!
eu: você quer o quê, filha?
Teté: Teté é iiiiiiinhoooo!!
eu: filha, a mamãe não está entendendo...
Naná (cortando, impaciente): Teté té talinho, mamãe!! (traduzindo: Teté quer carrinho)

Outra:
Teté (voltando da cozinha): Teté eis ôlo!
Eu: o que é que você fez, filha?
Teté: ôlo!
Eu: ah, você fez bolo?
Teté: ôôlo!
Eu: bolo é gostoso, né, filha?
Nana (gritando): môôôôlooooo!! (traduzindo: molho)

Conclusão: se minha primogênita quiser fazer carreira como intérprete consecutiva, vai ter que domar esse gênio... :O)

13.8.07

papai-herói



papai trabalha muito e a gente morre de saudades dele durante a semana.
papai dá beijinho na gente quando chega e a gente já está dormindo.
papai vai cambaleando de sono pegar no colo quando a gente acorda no meio da noite.
papai levanta cedinho no final de semana pra poder ficar mais com a gente.
papai leva a gente no supermercado, e corre com o carrinho com a gente dentro.
papai faz manobras radicais na garagem do edifício.
papai conversa com a gente desde que a gente estava na barriga da mamãe.
papai fica feito louco pegando todas as frutas que a gente pede pro café da manhã.
papai prepara iogurte, queijo e bolacha, tudo pra matar a nossa fome.
papai conta estorinha e inventa coisas engraçadas.
papai ensina tudo o que é politicamente incorreto.
papai joga a gente pra cima, sacode, vira e desvira, e a gente adora.
papai dá risada com as coisas que a gente diz.
papai dá espuma de barbear na nossa mão pra gente brincar - e a mamãe fica pê da vida.
papai ensina a gente a assistir futebol, e a gritar bem alto quando tem gol do porco.
papai faz um macarrão gostoso, e uma picanha melhor ainda.
papai dança com a gente as músicas que ele gosta.
papai pega a gente no colo e aperta gostoso, e é a melhor coisa do mundo.
papai gosta de deixar a gente pegar em tudo que a mamãe acha nojento (é que ela é meio fresquinha).
papai ensina a contar quando a gente desce ou sobe escada, e a gente já sabe um monte de números.
papai adora ver que a gente é assim, bem molecas, e gosta mesmo é de bagunça.
papai fica todo contente de ver como a gente está crescendo, e conta orgulhoso pra todo mundo tudo o que a gente já sabe fazer.
papai faz bolinhos de areia com a gente na praia.
papai deixa a gente pular do braço do sofá - e às vezes dá um rolo danado.
papai deixa fazer a maior bagunça, espalhar as coisas pra todo lado.
papai dá arroz, feijão e farinha pra gente brincar, e não quer nem saber se vai sujar.
papai faz suquinho e bolinho junto com a gente.
papai canta e embala a gente pra dormir.
papai faz carinho, beija, aperta, meleca, diz que nos ama.
papai é papai, o melhor do mundo.
papai é um paizão. nosso herói, que a gente ama e admira demais.
feliz dia dos pais, papai!!!
a gente ama você um tantão assim, ó! (imaginou?)
um beijo beeeem melecado das suas pimentinhas.

2.8.07

papo de doido, ou: Didi e Gogo



conversa surrealista entre as pimentas, ontem:

(Ana Luz segurando um gorrinho de lã nas mãos)
Ana Luz: é meu!
Estrela: meu, não! é seu!
Ana Luz: é meeeu!
Estrela: meu, nããão! é seu!
Ana Luz: é meeeeeeu!
Estrela: meu, nãããããão! é seeeeu!!
e a coisa foi longe...

tô achando que minhas filhas dariam duas personagens para Beckett nenhum botar defeito. :O)