27.9.08

relações familiares


Teté enredada na complicada teia das relações familiares:

- a prima da minha filha foi na escolinha com o irmão do pai da minha filha!!

pior é que ela acertou - imaginem a 'arvore genealógica', que vocês vão entender que a menina em questão (a prima da filha) foi à escola com ninguém mais, ninguém menos que... o próprio pai!

:-)

vida de assalariado


Naná compreendendo a dura vida de trabalhador mal remunerado num mundo capitalista:

- Mamãe... tá demorando muito pra você ganhá dinhêlo pra num tabalhá mais!!!

Também acho, viu, filha? Também acho...

18.9.08

contando um conto


As pimentas, versão contadoras de estória:


Naná apresenta "A Estória do Macacão":

"aí, o macacão comeu a banana, e aí acabou!"


Teté apresenta "A História da Formigona":

"aí a formigona caiu do copinho, aí ela dormiu, e aí acabou!"


Eu posso com tamanha criatividade???

;-)

10.9.08

só pra ter certeza


Comecinho da noite, eu cantando para as meninas enquanto vestimos o pijama para ir para a cama (rimou!). Elas sempre me pedem pra cantar pra elas quando estamos fazendo todo o "ritual pré-soninho" ( tomar banho - se estiver calor - escovar os dentes, fazer xixi, colocar os pijaminhas, chameguinho básico na cama, peito, mãozinhas dadas e... zzzz!). A canção da vez era "Menininha", do Vinícius, que tem uma parte que diz: 'menininha, não cresça mais não... fique pequenininha na minha canção...". Num determinado momento, reparo na Ana Luz com uma carinha toda séria, com cara de quem está mergulhada numa reflexão profunda. Espero, sabendo que logo vem uma. E não demora muito, a pequena pergunta, só pra confirmar:

- Mamãe, você quer que eu cresça, né??

=P

pacificadora


Aqui em casa, quando uma das meninas vem chorando porque a outra chamou de boba, ou qualquer coisa do tipo, eu costumo dizer algo do tipo: "filha, quando a sua irmã te chamar de uma coisa que você não gosta, vai fazer outra coisa, deixa ela falando sozinha".

Outro dia, fui falar alguma coisa para a Ana Luz e disse: "filha, que coisa!". Ela entendeu errado, e começou a resmungar: "eu não sou coisa!!!". Estrelinha logo veio para pôr fim à contenda:

- Naná, deixa a mamãe falando sozinha...

=P

6.9.08

um desejo, duas motivações



Naná: - Mamãe, quando eu fô gândi eu vô podê passá batom, né?

Teté: - Mamãe, quando eu fô gândi eu vô impiná pipa com o papai, né?


;-)