27.7.16

do copo meio cheio


a filha caçula chega pra mim, toda chateada por ter sido deixada de lado da brincadeira das mais velhas. empatizo: 

- é filha, eu entendo você. eu também sou irmã mais nova e às vezes, ser a irmã mais nova é duro. 

a pequena sorri. pensa um bocado. dali a pouco: 

- mas tem uma coisa boa de ser irmã mais nova...

eu, curiosa:

- é, filha? o que é?

e a menina, triunfante, já se virando para voltar à carga, tentando convencer novamente as irmãs a deixarem ela brincar:

- pra morrer de velhice, a gente demora mais!!

gaiatice desde o berço, temos.

<3 span="">

#DedinhosdeMoças #pimentinhas #Chiara

25.7.16

da boa educação


a filha, terminando de se vestir: 

- mãe, você pode pegar o meu tênis pra mim por favor?

a mãe, já habituada à porra-louquice cotidiana da filha do meio: 

- você tem alguma ideia de onde colocou ele ontem?

e a menina, toda sarcástica:

- na cesta, onde é o lugar dele.

e, depois de uns segundos, o golpe de misericórdia:

- afinal, você me educou muito bem!

tun-tun-dásss: filha 1 x 0 mãe.

#DedinhosdeMoças #pimentinhas #Estrela

22.7.16

dos conflitos geracionais


num dia de muito frio, empresto uma touca minha para a filha mais velha. 

a menina, diante do espelho, torcendo o nariz: 

- hum... era isso o que se usava no século XX, mamãe?

conflito de gerações: tá tendo.

:-O

#DedinhosdeMoças #pimentinhas #AnaLuz

5.7.16

dos altos e baixos


essas duas. 

tem dias em que eu penso que vão se odiar para todo o sempre, de tanto que brigam, se provocam e se estranham. aí vamos pro parquinho, a pequena é atropelada por uma criança que não respeita fila e fica sem balanço, a maior vê a tristeza da irmã e elas terminam assim. 

requisito para ser mãe é ter coração forte.

25.6.16

do amor vezes três



"minhas filhas eu vejo que são três
e cada qual é da beleza irmã
(...)
vendo a meiguice da primeira filha
vejo a segunda que me prende e encanta
a mesma estrela que reluz e brilha
se olho a terceira, vejo a mesma santa.
se a cada uma com fervor venero
fico confuso sem saber das três
qual a mais linda e qual eu mais quero
(...)
e, já velho, a pensar de quando em quando
eu brevemente voltarei ao pó
eu sou feliz e morrerei pensando
que as três filhas que eu tenho é uma só."

(patativa do assaré)

12.6.16

do feitiço contra o feiticeiro


o cardápio do café da manhã das filhas, escolhido por elas: 

banana + pão de queijo de tapioca + shimeji refogado

aí eu estranho: 

- mas gente, ninguém come shimeji refogado no café da manhã!!

e a filha, fazendo o feitiço virar contra o feiticeiro:

- ué, mãe! e desde quando você segue as regras da sociedade??

fuén.

:-P

#DedinhosdeMoças #pimentinhas #Estrela

6.6.16

das lutas


aí você vira pras filhas logo de manhã e, como manda o protocolo: 

- primeiramente, Fora Temer! 'segundamente', vamos tomar café da manhã?

a menina, toda inflamada com justa indignação: 

- não, mamãe!!! primeiramente, Fora Temer! 'segundamente', Fora Cunha! 'terceiramente', Fora Aécio! 'quartamente', Fora Bolsonaro! e 'quintamente', Fica Dilma!

pense numa criança pronta para ir às ruas.

:-P

#DedinhosdeMoças #pimentinhas #AnaLuz

3.6.16

para bom entendedor

eu amo ser mãe.

é de longe o lance mais intenso, mais divertido, mais enriquecedor, mais empolgante, mais gratificante que eu já experimentei, nesses meus bem vividos trinta e sete aninhos de existência.

é sem dúvida alguma a experiência que mais me transformou (e ainda transforma), que mais me ensinou (e ensina), que mais me fez (e faz) crescer.

ser mãe das minhas três filhas, desde o momento em que pus os olhos nelas pela primeira vez e até hoje, fez e faz de mim uma pessoa melhor.

ser mãe é, pra mim, uma realização pessoal. eu não me sentiria completa, sem elas na minha vida. sem tê-las trazido ao mundo. sem experimentar a dor e a delícia de ensinar e aprender com elas, todos os dias.

não é cor de rosa. não é fácil. não é perfeito. mas é bom pra caralho.

eu canso. eu surto. eu tenho os meus medos, as minhas inseguranças, as minhas limitações, as minhas impossibilidades. mas até nelas, a maternidade me ensina. a acolher e aceitar, e a fazer o melhor sem esperar acertar sempre. ou a saber que estarei acertando, mesmo quando eu errar - porque terei dado o melhor de mim, naquele momento e naquelas circunstâncias. e isso é muito.

isso não significa que a minha vida fosse triste, ou vazia, ou sem graça, ou sem sentido, antes da maternidade. mas tem uma qualidade de presença, de olhar, de sentimento, de atitude, que eu só alcancei depois que elas vieram para fazer parte do meu mundo.

eu amo ser mãe.

e se você leu até aqui, por favor, faça mais um esforço e leia mais essa:

eu. estou. falando. de. mim.
de mim.

2.6.16

da poesia materna


a filha, lendo o meu texto de ontem no Uma Vez Mamífera

- mãe, você é poeta!
- por quê, filha?
- porque as suas palavras são fortes, e têm vida!

sabe aquele elogio que vale por uma existência inteira? então.

<3 span="">

#DedinhosdeMoças #pimentinhas #Estrela

24.5.16

7 anos!


"sabia
que ia acontecer você, um dia
e claro que já não me valeria nada
tudo o que eu sabia
um dia"

e um dia, há sete anos atrás, aconteceu você. toda definitiva.

minha menina-passarinha
geminiana bagunceira, divertida, encardida. tão cheia de amor pra dar.
tão despreocupada, tão certa das coisas, tão descabelada e arteira. que me agarra o pescoço, aperta o rostinho miúdo contra as minhas bochechas e me diz com vozinha estridente:
"mamãe como eu te amo eu não consigo te amar tanto assim!!"
e eu fico ali, uma pasta derretida esparramada no chão.

aconteceu você, há sete anos, numa madrugada silenciosa.
depois de quarenta e duas semanas, aconteceu você de um susto feito tsunami, feito furacão. um parto de três horas e um expulsivo de três forças.
depois de você, nada mais ficou igual ao que era antes.
sete anos depois, eis você: essa menina magrela, comprida, espevitada, tagarela e divertida.
toda cheia de vontades, dengosa que só ela, toda segura de si, que sabe a que veio e só faz o que quer, quando quer.
passarinha sorridente, brincalhona, piadista e trolladora.
do que eu aprendo contigo, pequena, todos os dias:
que o amor que a gente dá é igual ao amor que a gente recebe,
que rir é o melhor remédio para todas as coisas, de cotovelo ralado a macaquinhos no sótão e coração machucado;
que gente é pra brilhar, é pra ocupar todos os espaços, é pra se espalhar,
que o bonito da gente estar vivo é sorrir arreganhando os dentes, e ser feliz sem pedir licença, porque é o nosso direito.

te amo, minha lagartixa
feliz sete anos.