18.6.10

Kikiba-Furacão

///
Chiarinha está naquela fase que ninguém segura. Quer mexer em absolutamente tudo, especialmente no que não pode. Sai engatinhando toda pimpona pela casa, crente que já é independente e pode tudo o que quiser, e tem uma paixão toda especial por espalhar coisas que, antes dela chegar perto, estavam arrumadinhas.

Dia desses, arrisquei-me a dar o banho da noite nas mais velhas, e arrumá-las para dormir, antes de fazer o mesmo com a pequenina. Não é como faço normalmente, mas nesse dia Ana Luz e Estrela estavam especialmente cansadas, e questionaram: "porque a Kiki vai sempre primeiro, mamãe??". Fair enough.

Pois até que eu fiz tudo rápido, elas colaboraram e tals. Mas em menos de dez minutos, Chiara espalhou todos os cremes da prateleira do banheiro, abriu o pote de algodão e se divertiu fazendo chuva de bolinhas na própria cabeça, alcançou sabe-se lá como o rolo de papel higiênico e saiu deixando pedacinhos pelo caminho, crente que era uma personagem de João e Maria. Depois, entreteve-se enfiando os pedacinhos na boca e mastigando feliz da vida, enquanto me olhava com carinha sapeca de quem sabe ter feito o que não devia. Daí engatinhou até a ponta da escada e começou a esticar os bracinhos pra pegar os tênis das irmãs, que em questão de segundos já iam parando onde? Aham, na boca. Na sequência, foi até o quarto, lançou-se destemida sobre uma pilha de roupas limpas e passadinhas que repousava incólume sobre a cama e foi pegando, uma por uma, e espalhando ao redor. Fez um círculo de roupas, bonitinho, com uma bebê tagarela e sorridente no centro. Quando me dei conta, já era tarde pra impedir qualquer coisa. Só me restou rir, mesmo. Fazer o quê?

Peguei a bichinha, pedi ajuda das irmãs pra juntar as roupas espalhadas, que deixei num canto da cama pra dobrar e guardar depois, juntei todos os chumacinhos de algodão e pedacinhos de papel higiênico num canto do banheiro, tirei os que a pequenina insistia em esconder em um cantinho qualquer da bochecha gorducha, coloquei os cremes de volta na prateleira - e a mocinha até se animou a me ajudar, jogando pra dentro os potes em que conseguia pôr as mãos.

Lembrei da canção que escutava muito quando a pequenina ainda estava na barriga: "eu tô grávida / esperando um furacão". E não é que foi mesmo? Um furacãozinho arteiro, doce e sorridente, deixando atrás de si um rastro de alegria, amor e sorrisos.

;-)

4 comentários:

luamorzinha disse...

huahuahuahua, que bagunça gostosa!!!
beijo

Nine disse...

Essa fase é uma delícia (cansativa!)!

Eu tb olho a minha fazendo as bagunças dela e me divirto!

Fofinha a pequena! E as manas sempre lindonas!

Beijos!
Nine
www.minhapequenaisis.blogspot.com

Mi nombre es María disse...

Ai, que delícia de bagunça!

Claudini disse...

Bagunceira e arteira linda demaaaaais!