7.8.13

Escorregadelas da maternidade, ou: o tiro que saiu pela culatra


Num rompante confessional do qual muito me envergonho, começo contando para vocês que venho incutindo em minhas inocentes filhotas um hábito nefasto: algumas vezes, no carro, desligamos o som e vamos cantando, nós quatro, em coro.

Nefasto por que?, vocês me perguntam. Cantar em família não é ilegal, nem imoral, nem engorda. Bem, o problema é o repertório. Shame on me por ele, mil vezes. Vou cumprir penitência até o fim da vida, já sei.

Fato é que eu, muito irresponsavelmente, permiti-me em um (ok, um não, vários) momento de desatino dividir com minhas pequenas alguns pecadilhos descabidos da minha infância. Vai daí que a playlist destas ocasiões inclui Menudos (poizé) e (argh mil vezes) Xuxa. Das antigas, mas ainda assim, Xuxa. Ela mesma. 

Então, julguem-me. Eu mereço.

Resultado prático disso é que as duas mais velhas andaram cantarolando 'Lua de Cristal' por aí e ouviram de outras crianças - igualmente traumatizadas por pais irresponsáveis pelo lixo musical dos anos 80 - a triste revelação: pois é, além de música, a Xuxa fazia filme. A falta de noção da década perdida não teve limites, isso nem se discute.

Resumido o caso, eis o dilema: apresento às minhas inocentes filhotas o clássico trash mór da minha pré-adolescência, 'Super Xuxa contra o baixo astral'? A pergunta que não quer calar.

Façam suas apostas.

Um comentário:

Thatiana Prata disse...

Apresenta, por mais trash que seja, faz parte da nossa vida!!!!